sexta-feira, 28 de maio de 2010

ASSEMBLÉIA DE DEUS NÃO APÓIA MARINA SILVA

SENADORA É MEMBRO DA IGREJA QUE LHE NEGA APOIO POLÍTICO

A Assembléia de Deus, maior igreja pentecostal do Brasil, com 8,4 milhões de fiéis segundo o Censo de 2000, não apoiará a pré-candidata à presidência da República Marina Silva (PV). "O fato de ser evangélica e candidata não é suficiente para a igreja apoiá-la", afirmou o pastor Joel Freire, que trabalha como missionário da Assembléia de Deus nos Estados Unidos. Filho do pastor José Wellington - presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus do Brasil (CGADB) e suplente de Orestes Quércia (PMDB) -, Freire ressalta que Marina precisaria de "outros atributos", como ser "conhecida pela comunidade evangélica e provar que poderia ser presidente".
Evangélica desde 1997, Marina Silva é filiada à Assembleia de Deus, que possui uma estrutura complexa. A igreja, que completará cem anos em 2011 e surgiu em Belém do Pará, é divida em centenas de ministérios. Divergentes entre si, eles mantêm pouca unidade política e ideológica e, provavelmente, não terão o mesmo candidato nessas eleições. Apesar de não revelarem abertamente a escolha, é quase certo que o eleitorado evangélico se dividirá entre Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB).
"As pessoas votam, cada vez mais, a partir da preocupação instrumental, do que dá fruto, do resultado imediato", afirmou o pastor Gedeon Alencar, especialista em ciência da religião e membro da dissidente Igreja Assembleia de Deus Betesda em São Paulo. Ele observa ainda que será diferente essa eleição: "Os evangélicos vão se dividir. Há duas décadas os evangélicos foram contra Lula, era mais definido".
Para Alencar, ganha apoio quem tem algo a oferecer. "Mesmo Marina tendo uma marca da Assembleia de Deus, no encontro em Santa Catarina (em maio), quem foi convidado para falar foi o Serra", disse. "Marina teria dinheiro para patrocinar? Não tinha. Então se dá ênfase para quem tem dinheiro para financiar", afirma.
 
Caráter laico
 

Lideranças do PV em São Paulo acreditam que o fator religião pode ajudar na conquista de mais votos. "Evidente que há uma identificação com os cristãos. Quero crer que isso pode ajudar", disse Maurício Brusadin, presidente do diretório do PV em São Paulo.
Mas é o discurso de tom laico que demonstra, para o cientista político da Unesp, Marco Aurélio Nogueira, o quanto a pré-candidata tenta "driblar e neutralizar" esse ponto.
"A fé é mais um ônus do que um bônus para ela", afirma. Para Nogueira, o fato de Marina ter opiniões de fundo religioso pode afastar um tipo de eleitor "mais racional", que apoiaria a causa do desenvolvimento sustentável. "Hoje, mais atrapalha do que ajuda. Tanto que ela não esta trabalhando esse ponto. A vitória dependerá muito das questões que vai privilegiar na campanha".

4 comentários:

Bombeiro disse...

Sou Pastor da assembleia de Deus,e discordo,pois o voto é individual e nao de uma instituiçao ,meu voto e de muitos asenbléianos é da iss. Marina sim ,e ela vai ser Presidente do Brasil

paizão disse...

Certo meu amado eu estou tambem com o mesmo pensamento eu sou MARINA.

Wellington Jorge Azevedo disse...

Hoje o que vejo e que a maioria dos evangélicos começaram a mobilizar por ela, alem de trazer uma reforma política ela vai modificar o modo de pensar dos evangélicos sobre política Marina Silva Presidente

montezzuma disse...

Votar em Dilma é o mesmo que apoiar a iniquidade neste País. Só crente apóstata vota no PT. Precisamos votar em Marina Silva.