sábado, 14 de julho de 2012

ASSOCIAÇÃO CONTRA O PRECONCEITO RELIGIOSO


CRIADA NO CEARÁ A ASSOCIAÇÃO PRETENDE COMBATER PRECONCEITO

Sentindo-se perseguido depois que foi desligado da associação religiosa das Testemunhas de Jeová, o servidor público da Universidade Federal do Ceará, Sebastião Ramos, decidiu criar a Associação Brasileira de Apoio a Vítimas de Preconceito Religioso (Abravipre).
A entidade foi reconhecida juridicamente no dia 13 de junho. Ela tem por objetivo acolher vítimas de discriminação religiosa e promover a laicidade efetiva do Estado. A associação promete apoio jurídico e psicológico a qualquer vítima de preconceito religioso praticado por pessoas ou instituições.
Sebastião lamentou o ostracismo e a discriminação que foi vítima depois de sair da congregação das Testemunhas de Jeová. Passou a ser ignorado, contou, por pessoas que eram companheiras na fé e até mesmo pelos familiares que continuam acompanhando esse credo.
Abravipre denuncia que "pessoas em precárias condições financeiras, desvalidas emocionalmente, são incentivadas a se desfazer de seus já parcos recursos em favor de igrejas que todo tipo de bem-aventurança prometem em troca de dinheiro ou bens, enquanto se locupletam, amealhando fortunas à custa da credibilidade pública".
Ser pastor um bispo converteu-se, antes de tudo, numa próspera carreira, "um atalho para fazer fortuna pessoal", diz texto da entidade. A associação entende que educação é a melhor proteção contra abuso religioso e por isso se propôs a produzir materiais educativos que abordam o assunto.
É bem verdade que ocorrem exageros no meio religioso. Também é verdade que muitas pessoas são discriminadas por sua opção religiosa. Professar uma fé diferente dos familiares e ser tratado de forma diferente já é uma rotina neste país.
Esperamos que a Associação combata, de fato, todo tipo de preconceito religioso, inclusive, aqueles praticados contra quem decide abraçar a fé evangélica. De outra forma a Associação não terá êxito em sua cruzada pois será, se assim não proceder, uma entidade de um lado só.

2 comentários:

Nascimento disse...

Sim , mas porque ele deixou o salão do reino ele queria o mesmo tratamento?? não teve maturidade para vencer este obstacúlo???. Por que criar uma associação?? falta informação neste post....

Amanda disse...

Uma pessoa que é dessa religião estuda muito a bíblia e sabe muito bem o que ela aprova e detesta. Quando uma pessoa é desligada da religião é quando ela comete um pecado grave, nos padrões da bíblia, como sexo antes do casamento e com outra pessoa que não é seu cônjuge, quando ela leva uma vida dupla, quando ela se embebeda com frequência, apostasia, enfim, muitos pecados..
E ele cometeu um ou mais de um pecado grave, ele tem uma conversa em particular com os que tomam a dianteira e nessa conversa aconselham ele com base na bíblia e depois disso ele teria que mudar. Mas não mudou. E para não influenciar outros a fazer o errado ele é desligado. Mas essa foi a escolha dele, e ele sabia das consequências.
As Testemunhas de Jeová, não agiram com preconceito para com ele, pois seguem o exemplo de Cristo em ser imparcial e mostrar respeito e amor para com todos, mas isso não significa que oque ele fez foi esquecido.