terça-feira, 25 de maio de 2010

RECORDISTA DE TATUAGENS SE TORNA PASTOR DA ASSEMBLÉIA DE DEUS

PASTOR ERA FÃ INCONDICIONAL DA BANDA DE ROCK IRON MAIDEN 

As 172 tatuagens do paulistano Marcos Motolo, de 37 anos, são de um típico metaleiro: todas (incluindo o número 666 e uma estrela de cinco pontas, ligadas ao satanismo), fazem referência à sua paixão da juventude, a banda de rock Iron Maiden. Mas, há cinco anos, ele decidiu dar um rumo radicalmente diferente à sua vida: virar pastor da Assembleia de Deus. Segundo ele, foi um chamado de Jesus.
Fanático, Marcos conta que colecionar CDs, DVDs, pôsteres e reportagens não eram suficientes para mostrar sua admiração pelo grupo.
- Tem fã que quer ter tudo da banda, eu queria levar para o caixão - conta o pastor, que fundou um fã-clube do grupo em 1995 e foi convidado para uma participação no documentário "Iron Maiden - Flight 666".
 
Oferta de R$ 36 milhões pela pele do pastor

A primeira tattoo foi feita em 1999. E ele não parou mais, tornando-se o homem com mais tatuagens de uma única banda no mundo todo. Uma empresa japonesa chegou a oferecer R$ 36 milhões por sua pele, que seria exposta em convenções. Mas, ele conta, uma visão mudou sua vida, no dia 10 de abril de 2005.
- Eram 4h, e Jesus surgiu para mim como o sol do meio-dia. Ele me disse que eu só havia chegado àquele ponto porque Ele havia permitido, mas que, a partir daquele momento, eu deveria pregar a Palavra - diz Marcos, afirmando que oito tatuagens desapareceram das suas mãos.

Pastor gastou R$ 50 mil em suas tatuagens

A primeira das 172 tatuagens foi feita em 1999
Com mais de 90% do corpo coberto por tatuagens, Marcos diz que não é possível removê-las. Por isso, ele resolveu assumi-las para se aproximar dos jovens e evangelizar: além de ministrar cultos, o pastor dá palestras até em outros países e já virou atração de programas de TV.
- Aconselho os jovens a não se tatuarem. Eu, se eu tivesse conhecido a Palavra, não teria feito. A Bíblia diz que não é bom que o corpo seja marcado - explica o pastor, dizendo não sofrer preconceito pelo visual diferente.
Marcos, que batizou seus dois filhos como James Alef (referência ao vocalista do Metallica) e Steve Harris (mesmo nome do fundador do Iron Maiden), diz que continua gostando de rock, mas hoje é bem mais moderado. E só se arrepende do dinheiro gasto na empreitada: cerca de R$ 50 mil.
- Tudo nessa vida vale a pena, mas o objetivo é morrer com Cristo - afirma o pastor.

Um comentário:

Laiza Almeida disse...

Mudança radical mesmo.